30 de jan de 2016
Por Nathália Bastos

Joyland/ Stephen King

Título: Joyland
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Avaliação: 5/5
Páginas: 240
Sinopse: Um pequeno conselho: não se aventure na roda-gigante em uma noite chuvosa.
Carolina do Norte, 1973. O universitário Devin Jones começa um trabalho temporário no parque Joyland, esperando esquecer a namorada que partiu seu coração. Mas é outra garota que acaba mudando seu mundo para sempre: a vítima de um serial killer.
Linda Grey foi morta no parque há anos, e diz a lenda que seu espírito ainda assombra o trem fantasma. Não demora para que Devin embarque em sua própria investigação, tentando juntar as pontas soltas do caso. O assassino ainda está à solta, mas o espírito de Linda precisa ser libertado e para isso Dev conta com a ajuda de Mike, um menino com um dom especial e uma doença séria. O destino de uma criança e a realidade sombria da vida vem à tona neste eletrizante mistério sobre amar e perder, sobre crescer e envelhecer e sobre aqueles que sequer tiveram a chance de passar por essas experiências porque a morte lhes chegou cedo demais.

Olá leitores, eu sou a Gabi e hoje eu vim falar do meu primeiro contato com a escrita deste autor super renomado: Stephen King.

Nesta obra S.K. nos mostra a história pela visão do personagem Devin Jones, um jovem universitário que resolveu trabalhar no parque de diversões que dá nome ao livro, Joyland, nas suas férias de verão. É um ambiente diferente de tudo aquilo que ele já vivenciou uma experiência completamente nova, desde seu trabalho no parque até a sua estadia na cidade onde se passa a estória.

Quando se trata do passado, todo mundo escreve ficção” – Devin Jones, pag 33.

Já começo falando para você leitor que sempre teve vontade de ler um livro de Stephen King, ou que já ouviu falar muito de suas estórias e já assistiu algum filme baseado nela e fica curioso para saber qual é a dele, mas se sente intimidado pelos temas de terror e suspense. LEIA ESTE LIVRO. Principalmente se terror e suspense não forem seu forte.

Sempre pensei que S. K. escrevia apenas sobre terror e coisa e tal,  e este livro foi pra mim uma agradável surpresa. Ao contrário do que a sinopse te leva a pensar eu achei a estória até leve no geral. Também pensava que a escrita de seus livros seria mais madura, formal, por se tratar de um escritor de 68 anos já hahaha. Gente, sobre os meus prejulgamentos e preconceitos tenho que dizer que foi um  tapa na cara após o outro. Ele não é nada do que eu pensei que seria. Achei a sua escrita super jovem, atual, ele não deve nada para os escritores contemporâneos. Isso me fez pensar que ele possui uma excelente capacidade de adaptação, pois transita entre vários públicos em suas obras. Senti que Joyland foi uma escrita direcionada para jovens adultos.

Como já falei aqui, a estória é contada em primeira pessoa por um universitário e em momento algum você dúvida disso, ainda que por trás esteja um senhor de 68 anos escrevendo. Pode parecer uma qualidade óbvia e básica de qualquer escritor, mas acreditem muitos autores só conseguem escrever sobre personagens em determinada faixa de idade. Não sei de seus outros livros, mas nesse, inclusive, o autor também se utiliza em vários momentos de “palavrões” hahaha.

Além disso, a sua escrita é super envolvente, eu o li em um dia e meio, mas com certeza acredito que possa ser lido em um. Apesar de ser um livro curto me deixou com uma ressaca literária, pois o personagem principal é daqueles que você quer ser amigo, sabe? A estória possui momentos tão gostosos de ler que você até esquece que seja um livro de Stephen King.

Sinceramente eu não sei definir o gênero dessa história, hahaha. Tem mistério, um pouquinho (pouquinho mesmo) de suspense, e até um humor por parte do personagem principal. Mas está tudo tão mesclado e bem construído que você se vê transitar por vários sentimentos durante a estória de uma forma bem fluída, como se você realmente estivesse vivendo aquilo.


Fora que te deixa com uma vontade enorme de ir nesses parques de diversões mais antigos, tem algum na sua cidade? Na minha tem um e fiquei morrendo de vontade de ir lá hahaha. Muito do livro se passa no Joyland, óbvio, e transmite uma energia muito gostosa e uma nostalgia enorme pra quem costumava frequentar parquinhos assim na infância.

Depois de ler esse livro eu fiquei super ansiosa de conhecer suas outras obras mais famosas. Tenho na minha estante “It, a coisa” e “O iluminado”. Sei que a “vibe” desses serão completamente diferentes, mas eu não me sinto mais intimidada, sabem? Por isso recomendo demais para quem quiser iniciar nas leituras de S.K., começar com Joyland. Com certeza eu não poderia ter escolhido porta de entrada melhor.

Por fim, preciso comentar que a Suma das Letras fez um trabalho ótimooo com este livro. O que é essa capa maravilhosa??? É daquelas que da vontade de colocar como se fosse um quadro na estante, eu pessoalmente ameii! Estão de parabéns pelo trabalho. Bem, é isso leitores queridos, até a próxima, espero que tenham gostado e leiam o livro! Beijos.

Post feito pela Gabi Araújo.




Post válido para Top Comentarista de Janeiro.

Comentários via Facebook

13 comentários:

  1. Hey, Gabi, tudo bem?
    Sempre vejo comentários como o seu com relação à Joyland ser mais leve que os outros livros do autor, o que realmente é um bom incentivo para quem tem receio do suspense e do terror mas ainda quer ler algo do Stephen. Mas eu realmente não me animo muito com a sinopse em geral, não é bem o meu tipo de enredo, sou mais adepta dos romances contemporâneos - YA principalmente, rs -, então ele meio que passa longe da minha listinha. Mas a resenha ficou muito boa, parabéns! *---*
    Beijos!

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional ♥

    ResponderExcluir
  2. Ei Sammy .. eu te entendo mas esqueça a sinopse hahaha ele pode se passar facilmente por um YA na maioria de suas páginas =P

    ResponderExcluir
  3. Ei Sammy .. eu te entendo mas esqueça a sinopse hahaha ele pode se passar facilmente por um YA na maioria de suas páginas =P

    ResponderExcluir
  4. Nunca tinha ouvido falar do então autor ne. Gosto de livros de terror e bom saber que ele escreve esse tipo de livro mas como diz na resenha esse e um pouco mas leve né a história realmente parece ser bem envolvente eu realmente gostei e adoro as resenhas de autores e livros que nunca ouvir falar e mas um descobrimento que vcs trazem né adoro mesmo haha mas um pra add na lista de livros 2016 bjs

    ResponderExcluir
  5. Bom, tenho muito interesse em ler o livro, ele parece ser muito bom. Mas em relação ao que você comentou sobre a escrita dele... Bom a escrita dele é em inglês, a que temos nesse livro o responsável por ela é o tradutor.

    Abraços,

    Blog Decidindo-se \o/

    ResponderExcluir
  6. Hahahaha mas o tradutor n tem licença criativa né?!Me referi à escrita dele sim, algo q uma simples tradução não altera. Os palavrões, a maneira jovem como ele lidou com a estória foi tudo dele ou na capa dos livros deveriam vir sempre o nome do autor E do tradutor como também coautor! Rsrs beijos

    ResponderExcluir
  7. Hahahaha mas o tradutor n tem licença criativa né?!Me referi à escrita dele sim, algo q uma simples tradução não altera. Os palavrões, a maneira jovem como ele lidou com a estória foi tudo dele ou na capa dos livros deveriam vir sempre o nome do autor E do tradutor como também coautor! Rsrs beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Gabi!

    Menina, eu também pensava que o Stephen só escrevia terror até ler À Espera de Um Milagre... Isso fez mudar minha concepção sobre o estilo de todos os autores, sempre tem uma exceção à regra. Mas enfim, justamente por ser de suspense eu não leria Joyland. Eu não sou muito fã do gênero, me deixa agoniada demais, sabe? O mesmo se aplica quando é terror. É bem estranho alguém falar que o King deslizou em algum momento nas suas história, todo mundo elogia tanto a escrita dele que parece meio impossível. HUAEHAUHEAE

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com/

    ResponderExcluir
  9. Oii Gabi, nunca li nada do Stephen King, mas amei a sua resenha e parece ser o tipo de livro que vou gostar. Gabi marquei vocês numa TAG lá no meu blog http://entrehistoriasblog.blogspot.com.br/2016/01/tag-liebster-award.html espero que você goste e responda.
    - beijos, Carol!

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Acredita que nunca li nada do King? Até tentei ler Sob a redoma mas desisti pois era muito grande e dava trabalho pra ler no serviço e ficar carregando pra lá e pra cá.
    Mas Joyland é um livro que estou muito interessada desde o dia que lançou, primeiro por essa capa, que como comentou é perfeita e parece um quadro, segundo porque dizem que a leitura é muito mais jovial e fluida, e mesmo ele escrevendo suspence, até quem não gosta consegue ler de boa, e foi muito o que percebi na sua resenha.
    Vou ficar de olho nas promoções pra comprar Joyland pra mim, quem sabe assim eu não viro uma fã do mestre King também?

    www.gordinhaassumida.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Adoooooooooro Joyland! Sua resenha ficou ótima! :)
    O seu blog é muito lindo! <3
    Bjs

    EntreLinhas Fantásticas - SORTEIOS NO BLOG! PARTICIPE :)

    ResponderExcluir
  12. Oi, Gabi
    QUERO ESSE LIVRO
    Sempre achei essa capa feia, então nunca fui atrás de mais informações a respeito dele. Pelo visto, estou perdendo uma ótima história, né?
    Eu sempre fui fã de parques de diversão, então fiquei ainda mais animado. E, assim como você, talvez esse seja o meu primeiro contato com o autor, apesar de eu ter duas obras dele aqui, paradas na minha estante.

    Beijo,
    João Victor - De cabeça para baixo | All Pop stuff

    ResponderExcluir
  13. Tenho e não tenho vontade de ler esse livro, vejo várias coisas positivas, assim como vc mesmo já disse, mas tbm vejo o contrario, dai que fico na duvida em dar uma chance, Quem sabe um dia eu me decida...
    http://odiariodoleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

© Biblioteca Lecture • Desenvolvimento com por