2 de jun de 2016
Por Nathália Bastos

Divulgação/ Semana Herança de Sombras:Entrevista



Hey bruxinhas(os), já estamos no segundo dia Semana Herança de Sombras teremos a uma entrevista linda com a Autora para que assim possamos conhecê -la melhor. E no final da postagem preparamos uma surpresa super legal.



1. Qual o seu nome?
R: Juliana Bizatto

2. Quantos anos? 
R: 30 anos 

3. Pretende fazer ou faz alguma faculdade? Ou é formado?
R: Sou médica formada há 5 anos pela Universidade da Região de Joinville. Estou fazendo residência de ginecologia e obstetrícia na Maternidade Darcy Vargas, também em Joinville, Santa Catarina. Pretendo atuar como ginecologista/obstetra assim que terminar a residência.

4. Fale um pouco de você como pessoa? 
R: Eu me vejo como uma pessoa tranquila, um pouco acelerada, como todo bom ansioso (rs), mas de um modo geral acessível e tagarela. Acredito que a minha melhor qualidade seja empatia, importante na minha profissão, contudo, dificulta um pouco a minha vida pessoal, em função de querer sempre abraçar o mundo (rs).

5. Que cidade você nasceu? 
R: Nasci em Jaraguá do Sul, Santa Catarina.

6. Tem algum Hobby? 
R: Ler (rs), passar tempo com minha família e amigos. Dançar sempre que possível. 

7. Qual sua cor favorita? 
R: Meu filho diria vermelho, mas acho que seria rosa envelhecido.

8. Qual é sua comida favorita? 
R: Varia. No momento, seria salmão ao molho de alcaparras, tenho tara por esse peixe. Mas não dispenso comidas típicas da minha região, como um bom recheio de marreco com strüdell de queijo.

9. Qual seu livro favorito?
R: 9.1- Eu não saberia dizer meu livro favorito. Mas, posso dizer os livros que marcaram a minha vida. Na infância, o livro que me encantava era “A bolsa amarela” da Lygia Bojunga, fala sobre uma garota que vive em conflito consigo mesma e com sua família, e que nutre esse desejo por ser escritora. Foi um livro que nunca esqueci.
9.2. Na minha adolescência, por sua vez, um livro que me chocou foi “Feliz ano velho” de Marcelo Rubens Paiva, o qual fala sobre como um jovem adulto se torna paraplégico, e as dificuldades que ele enfrentava me fizeram refletir sobre a fragilidade da vida, numa linguagem ora escrachada com ternura, ainda que com humor. 
9.3 O terceiro livro eu conheci já na vida adulta, “Alma Menina” de Camila Silvestre, um livro que entre outras coisas que me ensinou sobre coragem em um momento crítico da minha vida.
9.4. Contudo, duas séries que já perdi a conta de vezes que li, foi Crepúsculo e Harry Potter. 

10. Quais seus gêneros favoritos? Por quê?
R: Fantasia, principalmente romance sobrenatural. Adoro me envolver com as histórias, e me perder nelas. 

11. Qual foi o primeiro livro que você leu? 
R: Eu li desde muito pequena, mas não saberia dizer qual foi o primeiro livro.


12. Qual foi o último livro que você leu e era muito bom? 
R: O último livro foi Anna karienina, de LievTolstoi. É um livro pesado e triste, e muitas vezes tive que parar de ler, e retomar algumas semanas depois. Entretanto, é de um riqueza de detalhes, que é impossível não se sentir naquela Russia do final do século XIX. 

13. Qual pessoa você mais admira? Por quê? 
R:Acho que seria a minha mãe. Ela sempre foi um exemplo de pessoa e mãe, apesar das loucuras inerente a todas as mães. Acho que amor incondicional enche os olhos de qualquer um, e a devoção da minha mãe a quem ela ama sempre me impulsionou a ser uma pessoa melhor. 

14. Como se tornou escritor? 
R: Eu sempre tive o desejo de escrever, mas foi apenas através de uma grande perda, que vi necessidade de colocar no papel os mundos que existiam dentro de mim.


15. Quando descobriu que queria escrever? De onde surgiu a ideia de um Livro? R: Especificamente o Herança de Sombras surgiu da observação do amor que vi no seio da minha família num momento de muita dor, que foi a perda da nossa matriarca, a minha Vozinha. Eu achei tão incrível esse elo de camaradagem e cumplicidade incondicional entre as minhas tias, mãe e primas, que já existia muito antes da morte de nossa avó, que a minha imaginação ganhou asas, e a palavra “mágica” surgiu ao tentar explicar como poderíamos conviver tanto e haver tão poucos conflitos. O Herança veio no sentido de imortalizar esse amor de família. Este livro é uma homenagem as mulheres que me criaram e que eu criei. 

16. O que o motivou? Teve o apoio de alguém especial? 
R: A minha mãe sempre foi a primeira pessoa a ler os meus manuscritos, contudo, toda a minha família me apoiou e continua sendo grande incentivadora. 

17. Quanto tempo demorou a escrever seu primeiro Livro?
R: O primeiro livro demorou cerca de 4 meses para ser escrito, porém, o processo de revisão demorou mais de 1 ano, sendo com profissionais ou num processo de auto-crítica solitário. 

18. Tem algum ritual ou mania para escrever? Qual? 
R: Eu preciso de música para escrever. Eu crio play-lists para os capítulos que me ajudem a definir o momento do protagonista. 

19. Em questão da publicação de seu primeiro livro: O que foi mais difícil desde a obra pronta até seu Lançamento? 
R: Acho que o mais difícil foi encontrar uma editora parceira e responsável que realmente acreditasse no meu livro. 

20. Ainda hoje, encontra dificuldade em publicar seus livros?
R: Estamos publicando o primeiro agora. Então, vou te dever essa resposta para daqui a um ano.

21.Como você vê a parceria com blogs? 
R: Essencial. Não conseguiria ter publicado sem a ajuda de duas blogueiras lindas. Acho que a disseminação da informação através dos blogs ocorre de uma forma natural entre pessoas que querem fornecê-las e pessoas que buscam justamente através desses meios. No final, se torna uma grande amizade ao meu ver. 

22. O que inspirou os personagens? São inspirados em pessoas reais? 
R: As minhas principais personagens foram inspiradas sim em pessoas reais, mas apenas emprestei algo das mesmas as personagens, tanto que não é possível associar as personagens as minhas primas. Pelo menos até hoje ninguém conseguiu. 

23. O que inspirou os nomes? 
R:Os nomes foram surgindo conforme a personalidade das personagens. Regine, inspira postura régia e pulso firme, Babi reflete delicadeza, Monica é um nome forte, como também Samantha, personagens antagônicas da trama. Sy é um nome divertido, Lucille soa delicado ainda que sério. 24. Das suas obras, qual seu personagem favorito? Por quê? R:Não saberia dizer qual meu personagem favorito, eu me apaixono por todos.


24. O que mais lhe chama a atenção em suas obras? 
R:Eu acho que todos que leram meus livros, podem concordar que o meu diferencial é a sensação, o sentimento. Luxuria está sendo publicado agora, a sequência Apocalipse já está disponibilizada na plataforma wattpad na íntegra, e o terceiro livro Ira está em fase de produção. E entre estes três há unanimidade entre os leitores na minha habilidade de fazê-los sentir o que os protagonistas sentem. De fato, em cada um dos livros há pelo menos uma cena capaz de causar lágrimas. 

25. O que acha dos escritores atuais? E os mais antigos? 
R: Desde que comecei a escrever me familiarizei com os escritores nacionais, e sinceramente fiquei boquiaberta com tamanha qualidade. Antigamente, eu lia apenas livros internacionais, aqueles que os vendedores insistem em nos vender assim que colocamos o pá na livraria. E hoje, vejo que já li muita besteira por acreditar que o de fora é superior. Que há qualidade em escritores internacionais não há dúvida, mas os nossos escritores estão no mesmo patamar, quando não superior. Existe uma tendência universal de comercializar todos os produtos, e o livro não deixa de ser um produto, dito isso, é claro que vemos muitos escritores atendendo apenas o mercado e se preocupando menos com a qualidade, mas não diria que essa é a regra. Quanto aos escritores antigos, os clássicos, a nossa literatura é muito rica, não há como discordar da excelência de Machado de Assis ou Clarice Lispector, como também não há como não salivar ao ler Vidas Secas, se hoje esses livros são pouco celebrados pela maioria dos leitores seria por uma questão de época, de cultura e de linguagem, por vezes será difícil seduzir um adolescente com o português perfeito do século XIX. 

26. Qual livro recomendaria aos seus Leitores? Por quê? R: Acho que quem gosta do meu livro, vai gostar de livros em gêneros semelhantes (fantasia), como Caçadoras, O Vale da Morte de Priscila Magalhães, Nilue de Thais Lopes e O Círculo dos Imortais de Ananda Veloso. Crepúsculo, Instrumentos Mortais e Fallen são livros do mesmo gênero. Mas, também podem gostar de livros cujas personagens femininas sejam ativas e donas de seu próprio destino, como em Simplesmente Amigos de Alessandra Vale e Alma Menina de Camila Silvestre.



Post feito pela Nathy.


Post válido para Top Comentarista de Maio

Comentários via Facebook

9 comentários:

  1. Oi Nathy.
    Adorei a entrevista com a autora Juliana!
    Ela tem razão quando diz que os blogs são uma ótima plataforma para divulgação de novos livros e de autores nacionais, pois fiquei sabendo da sua obra e dela aqui no blog rs
    Gostei de saber que ela cria uma playlist para os capítulos. Espero que ela as disponibilize no livro.
    Achei bem legal ela citar o nome e obras de outros autores nacionais. Com exceção dos nomes Lygia Bojunga, Clarice Lispector e Machado de Assis, não conheci os outros.
    Vou procurar as obras que ela citou, pois também gosto muito de romance sobrenatural!
    Já coloquei Luxúria na minha lista de desejados e vou baixar o segundo no wattpad rs

    ResponderExcluir
  2. Oi Nathy, adorei conhecer um pouco mais sobre a autora!
    Também acho essencial essa parceria entre blogs e autores (ainda mais em um país onde o que é nacional não é tão valorizado), um acaba ajudando o outro e no fim quem sai ganhando é o leitor *-*
    Eu anotei a maioria das sugestões de livros que ela deu e vou pesquisar mais sobre cada um.
    Desejo muito sucesso a autora! Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Preciso confessar que o que tinha me animado com a autora conhecer A Bolsa Amarela (e gostar de Feliz Ano Velho) eu brochei sabendo que ela relê Crepúsculo hahahahahaha Enfim, meu maior questionamento é: Como diabos a Juliana consegue estudar medicina, fazer residencia em ginecologia e ainda por cima escrever um livro?? Eu mal consigo fazer faculdade e cuidar da casa hahahahahhaa

    ResponderExcluir
  4. Nathy, eu amei a entrevista feita com a autora. Foi maravilhoso conhecê-la um pouco de sua vida e obra. Adorei saber seus gêneros e livros preferidos. Também achei incrível como iniciou sua vida de escritora e claro, os livros recomendados para nós, leitores. Ainda não li seu livro, mas vejo o quanto ela é simpática e talentosa.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Me apaixonei mais ainda pela a autora. A forma de como ela admira os autores nacionais, e concordo com ela, pois temos escritores excelentes. Admiro a forma de como ela escreveu o seu primeiro livro, diante uma perda horrível. Grandes escritores nasce a partir de uma dor.
    Adorei a entrevista, muito boa mesmo. Permitiu conhecer mais ela. 😍😍😍😍😍😍

    ResponderExcluir
  6. Esse escritora já me conquistou quando disse que seu livro tem fantasia é um dos meus gêneros literários favoritos ^^ Essa escritora a das minhas porque quando me encanto por uma obra eu não consigo decidir que personagem eu gosto mais, eu gosto logo é de tudo mundo. Eu adorei conhecer mais sobre a escritora e espero que seu livro tenha muito sucesso porque sinto um grande potencial nela.

    ResponderExcluir
  7. Me conquistou quando falou da Lygia Bonjuga! Adoro essa escritora <33
    Quanto à entrevista, ficou muito muito bem elaborada, deu pra conhecer muito o trabalho dela, coisa que muitas vezes lemos os livros sem saber o que há por trás da pessoa que escreve!
    Adorei, já quero muito os livros dela!!
    Beijinhos <3
    Livros, Amor e Mais

    ResponderExcluir
  8. Oii!!
    Adoreei a entrevista e conhecer um pouco mais essa escritora super talentosa!
    Eu preciso de ler o livro! Pra ontem! Me instigou ainda mais á ler!
    Parabéns pela entrevista!!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  9. Achei interessante o fato de que a escrita da autora tenha se intensificado após a perda da avó dela. É curioso como cada um rege a uma perda. No caso dela, ela usou o luto para expressar suas palavras reprimidas.

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

© Biblioteca Lecture • Desenvolvimento com por