25 de abr de 2018
Por Nathália Bastos

Quando o Mal Tem um Nome/ Glau Kemp

Título: Quando o Mal Tem um Nome
Autora: Glau Kemp
Gênero: Suspense/Mistério/ Terror
Editora: Independente
Páginas: 204
Avaliação: 4,5/5
Sinopse: “Sinto medo. O tipo de medo que persegue até a presença de outras pessoas. Segue até a luz e entra nas cobertas. Não está debaixo da cama ou dentro armário. Está em minha pele e tem um nome. Não pergunte. Não descubra. Nunca saiba o nome do seu medo, ou irá chamá-lo... Seus lábios podem estar selados, mas sua mente repetirá: Donavan... Donavan... Donavan.”
Na Aparecida dos anos 70, uma cidade erguida no centro de um milagre, conhecemos a história de Marta e sua filha Clara. De sua terra cultivada por fé a malignidade cresce no coração de uma mãe devota. As orações que a padroeira não atende são feitas agora para eles: anjos caídos. Ela não deveria saber o nome do demônio que atendeu sua prece, e a abominação despertada é tão grande que todos vão pagar pelo seu pecado. O mal só precisava que alguém o chamasse pelo nome e agora está entre nós.

"Faça uma oração antes de dormir e deixe a luz acesa. Se vir a fé em seus olhos, talvez vá embora. Mas ele virá”
Para adquirir o livro: Amazon
*Glau Kemp é autora parceira do blog.

A loucura tinha sabor e era bom.

Aqui a loucura não fim!! Essa é a primeira vez que eu, Nathy, encaro um livro de terror, um suspense sobrenatural cheio de mistério, onde esse literalmente tira o seu sono com medo de ter pesadelos. Glau Kemp consegue escrever com uma destreza e ainda cria um clímax para a estória, onde o leitor fica tenso, com medo, de arregalar os olhos e também de embrulhar o estomago, eu me perguntava durante a leitura como que a autora conseguiu coragem para escrever certas cenas porque tinha hora que não conseguia ler tão absurdo que era. E é por isso que comecei dizendo que nesse livro a loucura não tem fim, pois me deparei com cada situação que se fosse eu apenas jogaria sal, começaria o exorcismo, ou simplesmente sairia correndo de lá...

Vamos ao que interessa né, mas, pega seu terço, sua bíblia, água benta, óleo de unção, uma cruz, comece a rezar, orar, chamar todas as criaturas divinas, porque aqui será tenso 😁 

Resultado de imagem para gif sinal de cruz
É nesse estilo mesmo viu


E agora vem comigo.

O que você faria para realizar seu maior desejo? Década de 70, interior de São Paulo, um cidade histórica chamada Aparecida, existe Marta, mulher casada, mãe de família, de imensa fé e devoção a Nossa Senhora Aparecida. Marta carregava uma promessa a Nossa Senhora Aparecida: se lhe dessem uma filha, uma menina, a batizaria na igreja da matriz. Mas as coisas não acontecem dessa maneira, e Marta tem um carácter meio duvidoso, ela foi capaz de deixar sua fé e crença de lado e partir para o absurdo e sombrio, onde teria que fazer sacrifícios com as próprias mãos. E não, não era coisa boa, afinal, se mexer com as trevas nunca é coisa boa né.

Depois que Maria Clara nasceu, sua tão sonhada filha, as coisas nunca mais foram as mesmas, coisas estranham começaram acontecer, mortes estranhas e inexplicável estavam ao redor da criança, e Marta só se via na única solução: cumprir a sua promessa para então assim se livrar de vez do Mal. 

Existem coisas que já estão escritas e não importa o quanto tente apagar ou reescrever por cima, elas são o que são.

Maria Clara cresceu, mas perdeu sua mãe cedo, e nunca soube do porquê as coisas estranhas aconteceram ao seu redor, sua mãe levou para o túmulo esse segredo. Mas antes, Marta conseguiu aprisionar o Mal, e sem nem saber, Maria Clara o liberta e trás de volta tudo que aconteceu no passado. Mais mortes, mas situações inexplicável acontecem e sua vida é literalmente revidada de cabeça para baixo. Agora ela precisa é literalmente MATAR o Mal. 

Uma determinação doentia cresceu em seu íntimo, movida pelo ódio e por uma fé louca de que havia sido escolhida para matar o diabo.

O livro inteiro é cheio de mistério, suspense e claro, com terror, existem rituais satânicos, existem cenas em que literalmente o Mal é descrito e mostra sua cara, e é nisso que a autora não nos decepciona pois ela consegue manter esses momentos tensos até o final. Com um escrita bem envolvente, e rico em detalhes dos anos 70 e 80, cenário em que se passa a história, Glau também coloca a fé católica, a devoção de Nossa Senhora Aparecida bem explícita e também como parte da história do livro, o que despertou curiosidade em mim, já que sou evangélica desde que nasci, nunca conheci e nem sei como é a fé católica ou a religião em si. 

Eu queria contar mais, não posso entregar a história toda, o único ponto que me incomodou, foi que eu queria saber mais sobre o segredo de Marta, quais eram realmente as consequências, só sei que ela libertou o Mal, e também que Clara cresceu e viveu o resto de sua vida sem conhecer exatamente sobre sua história de nascimento, acho que faltou um pouquinho mais para a história se fechar sem as pontas soltas, mas, talvez a autora tenha planos de escrever uma continuação. Fora os problemas com a revisão o livro foi escrito em terceira pessoa, o que possibilitou para o clímax. Eu amei ler, além dessa novidade para mim, e também do medo, esse terror é realmente digno de sucesso, agora sei que não é atoa que ela conquistou o primeiro lugar no Amazon. 

Para fechar a resenha, deixo aqui minha reflexão: nunca duvide da sua fé e nem abandone por não conquistar seu milagre. A vida é feita de escolhas, mas acredito que Deus já sabe o seu futuro, sabe a hora certa de acontecer, mas existem aqueles que muitas vezes insistem em desviar da linha, talvez Clara não precisaria ter sua vida tão desgraçada como foi, mas por escolha de sua mãe, quem sofreu as piores consequências foi sua família. 

Espero que tenham sobrevivido até aqui, e também espero que tenham gostado. Super indico para quem procura um bom suspense, para quem não tem medo kkk 

Todos carregam luz e trevas dentro de si e são raros seres singulares que apresentam só um ou outro. Raros, não inexistentes. 

Até mais.

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Veja os antigos!

© Biblioteca Lecture • Desenvolvimento com por